sexta-feira, 22 de maio de 2015

Monsters Tour Parte II: Os Dinossauros Ainda Reinam Sobre a Terra (Estádio Zequinha POA - RS-30/04/2015)

Leia a primeira parte da Monsters Tour "O Outro LadoAQUI.

Se o dia 30/04 reservou muitas surpresas (negativas) a Porto Alegre pela vinda da Monsters Tour, os shows em si eram esperados ansiosamente.


ZERODOZE

Então era hora do trio gaúcho Zerodoze iniciar os trabalhos, e logo de cara a produção de palco da banda impressionava, assim como o som, que estava perfeito! O trio formado por Cristiano Wortmann (guitarra/vocal), André Lacet (baixo) e Jean Montelli (bateria) fizeram um ótimo show, demonstrando domínio de palco e cativando bastante o público que ainda chegava ao Estádio.

A abertura do show com “Essa Mulher” mostrou grande competência, arrancando muitos aplausos dos presentes, assim como “Esperança e Redenção”, “Ninguém” e os covers de “Wrathchild” (Iron Maiden) e “Symphony of Destruction” (Megadeth).

Uma grande apresentação que ficará marcada na carreira da banda.


MOTÖRHEAD

Então era hora de uma das lendas Rock N’Roll mundial entrar em cena (mais precisamente sua terceira apresentação em solo gaúcho, a primeira em 1989 e a segunda no ano 2000), e após uma rápida troca de palco o trio inglês mais “barulhento” do mundo chega para mostrar sua força!

Aos poucos entrando em palco Lemmy reverencia os presentes e diz logo de cara: “Nós somos o Motorhead e tocamos Rock and Roll”. E aí amigo, o que se viu foi uma chuva de clássicos, por um trem desgovernado (um pouco mais contido é claro), do calibre de “Shoot You in the Back”, “Damage Case” e “Stay Clean”, que iniciaram a apresentação.


Claro que notamos a certa fragilidade de Lemmy ao vivo, as músicas também estão com um andamento menos veloz, mas não se engane, pois o que se viu foi uma usina de energia transbordando força.

Era notável cada esforço de Lemmy, que empunhando seu belíssimo Rickenbacker tirou um som estrondoso, algo que só os mestres conseguem.

Phil Campbell é um show à parte, além de ser a força motriz dos riffs, agita o tempo todo e interage muito com a galera, tomando pra si o posto de "porta voz oficial", já que Lemmy visivelmente poupava todo esforço que fosse possível, embora tenha comunicado-se com o público algumas vezes, inclusive cobrando uma empolgação maior, dizendo que ele estava ali, mesmo sentindo dor, então pediu mais entusiasmo, sendo saudado a cada palavra e cada gesto. E nem seria preciso elogiar o espetacular Mikkey Dee, que esmurrou seu kit sem dó.


“Metropolis” vem para tirar lágrimas de qualquer marmanjo, assim como “Over the Top”, que antecedeu o ótimo solo de guitarra de Campbell, que deu uma aula de puro Rock N’Roll.

Após o clássico inesperado “Rock It”, duas composições de seu mais recente álbum “Aftershock” são tocadas, “Do You Believe” e “Lost Woman Blues”, que antecederam a poderosa “Doctor Rock” onde abriu espaço para o solo de bateria destruidor de Mikkey.

Algo que temos que comentar foi o certo “desânimo” do público, Mikkey Dee ficou instigando os presentes para agitarem, fazerem barulho, mas parecia não ser correspondido. Creditamos um pouco disso, ao fato de que muitos preferiram assistir com atenção, aproveitando cada segundo de estar em frente a uma lenda, e que talvez fosse a última vez que teriam essa oportunidade.


Após as ótimas “Just 'Cos You Got the Power” e “Going to Brazil” estávamos chegando ao fim dessa apresentação épica e histórica, e Lemmy dá um certo puxão de orelha nos presentes dizendo que eles são apenas três e fazem muito barulho e querem ver todos agitando agora, e “Ace of Spades” chega para delírio de todos os fãs.

E ainda teve o bis com a poderosa “Overkill” e seus bumbos na “cara”.

Então chegava ao fim o sonho de muitos que queriam ver o Motorhead ao vivo, e podemos dizer que Lemmy mesmo com todos seus problemas de saúde se mostrou carismático e se esforçando ao máximo em dar o seu melhor, pois a expressão de dor e cansaço eram visíveis, mas deu aos seus fãs uma aula de som pesado, comprometimento e amor pelo que se faz.

Se esse é o último show da banda ou um dos últimos não sabemos, só podemos dizer que sim, vimos DEUS, LEMMY IS GOD!

Setlist:
Shoot You in the Back
Damage Case
Stay Clean
Metropolis
Over the Top
Guitar Solo
The Chase Is Better Than the Catch
Rock It
Do You Believe
Lost Woman Blues
Doctor Rock (com solo de bateria)
Just 'Cos You Got the Power
Going to Brazil
Ace of Spades
 Encore:
Overkill


JUDAS PRIEST

Chegava a hora de mais um gigante que retornava a Porto Alegre, mas desta vez marcando sua 4° passagem (a terceira com Halford) e promovendo seu mais recente disco “Redeemer of Souls”, além de apresentar o novo guitarrista Richie Faulkner (que está com a banda desde 2011).

O que você esperaria de uma banda com quase 50 anos de estrada e que de fato é o próprio Heavy Metal? Precisa explicar?


Um show avassalador, uma banda coesa e que transborda energia (com exceção de Faulkner o restante dos integrantes já passaram dos 60 anos), com ele o Metal God dando show, cantando como nunca, despejando seus agudos fantasticamente, calando a boca de muitos sobre suas performances ao vivo nos últimos tempos, era visível a satisfação e admiração de muitos bangers com a lição de Halford.

Como a banda vem divulgando seu novo trabalho o show se iniciaria com ele e após a intro “Battle Cry”, “Dragonaut” vem para esquentar a noite fria que acompanhava os gaúchos, com seu refrão cantado em uníssono.


E para explodir de vez o Estádio Zequinha “Metal God” chega com suas batidas fortes e marcantes, com Halford marchando em direção da plateia e dominando os presentes, assim como o peso descomunal do baixo de Ian Hill e seu timbre monstruoso, mais parecendo um trovão.

“Devil’s Child” mantém o alto nível do show com Glen e Faulkner roubando a cena, esse último então, deixou claro ser a pessoa certa para o Judas Priest, dando um novo gás a banda, agitando muito, interagindo o tempo todo, além de cantar todas as músicas, demonstrando ser, além de grande músico, um grande fã.


A produção de palco também impressionava, um telão ao fundo que mudava a cada música e com Halford mudando de roupa a todo instante, dando diversos climas ao show, além de sua movimentação constante pelo palco.

E que viria a brilhar ainda mais com a execução de “Victim of Changes”, fazendo o público explodir, principalmente nas partes em que o Metal God era exigido em seus agudos característicos, deixando até mesmo o fã mais incrédulo impressionado.

“Halls of Valhalla” do novo disco abre as portas com muito peso para uma das melhores da noite, “Turbo Lover” e seu clima épico, com Halford comandando todos no seu refrão marcante e grudento.


Seguindo a aula metálica “Redeemer of Souls” abriu caminho para uma sequência no mínimo fantástica, arrancando lágrimas dos fãs com “Jawbreaker”, “Breaking the Law” e “Hell Bent for Leather” (sim e nessa Halford entrou com sua Harley Davidson em palco para delírio geral), o entrosamento de Tipton e Faulkner é incrível, além da precisão sonora da cozinha, com o Sr. Ian Hill despejando trovoadas e com Scott Travis mostrando muita precisão e técnica a cada nota tocada.


Mas como estamos falando de Judas Priest, eles ainda tinham mais munição e “The Hellion” seguida de “Eletric Eye” vem para deixar todos de punho erguido cantando com a banda, que logo receberia a arrasa quarteirão “Painkiller”,  mas antes Scott provocou perguntando qual música gostaríamos de ouvir, e claro que ela seria a pedida para simplesmente botar o Estádio abaixo, com sua introdução animalesca na bateria, e com Halford dando conta do recado e até fazendo vocais guturais em determinadas partes.

Para fechar essa aula do mais puro Heavy Metal “Living After Midnight” dando o ar de despedida e a sensação que a banda ainda tem muita lenha para queimar.

Com esse show podemos constatar que o Judas Priest é o verdadeiro Heavy Metal!

Setlist:
Battle Cry (Intro)
Dragonaut
Metal Gods
Devil's Child
Victim of Changes
Halls of Valhalla
Turbo Lover
Redeemer of Souls
Jawbreaker
Breaking the Law
Hell Bent for Leather
Encore:
The Hellion / Electric Eye
Painkiller
Encore 2:
Living After Midnight


OZZY OSBOURNE

Para encerrar o Monsters of Rock nada melhor que um dos pais do Heavy Metal, o “príncipe das trevas” Ozzy Osbourne!

Acompanhado por uma excelente banda de apoio (que se mantém desde 2010), o Madman retorna a Porto Alegre pela 3° vez (uma com o Black Sabbath e duas vezes solo), e como de costume o “velho mais louco do Rock” sabe como dominar uma plateia, seu carisma é contagiante, o que ficou visto no começo do show com os clássicos “Bark at the Moon” e “Mr. Crowley” que incendiaram os presentes, que cantaram a plenos pulmões junto com Ozzy.


A banda que acompanha o Madman é simplesmente fantástica, a começar pelo guitarrista Gus G. (Firewind) que esbanja uma técnica absurda, além de estar muito mais à vontade em comparação ao show de 2011 no Gigantinho.

Rob “Blasko” (ex-Danzig e Rob Zombie) mostra muita segurança nos graves, além de ter ótima presença de palco. A banda se completa com o tecladista Adam Wakeman (filho do lendário Rick Wakeman) e o destruidor de peles Tommy Clufetos, que simplesmente rouba a cena pelo seu modo enérgico de tocar.

Além dos clássicos que Ozzy trouxe nesses mais de 50 anos dedicados ao Heavy Metal, veio consigo seus jatos de água e espuma para os fãs, onde de fato fez os seguranças e fotógrafos passarem trabalho, pois o Madman não se importava e molhava a todos, já os fãs sabiam e vibravam cada vez que Ozzy molhava todos na primeira fila.


“I Don't Know” veio na sequência (junto com muitos “Eu Amo Todos Vocês”), abrindo os portais do inferno para o primeiro clássico do Black Sabbath “Fairies Wear Boots” e seu riff tocado fielmente.

O que chama atenção nos shows do Ozzy é que tudo é feito milimetricamente para o “príncipe das trevas” brilhar, um show muito bem ensaiado, e com um setlist na ponta para ganhar o público, disparando clássicos atrás de clássicos, aliado a inquietude de Ozzy, que se movimentava a todo instante, além de sua voz estar boa para ocasião, se comparado com a última passagem junto ao Black Sabbath.


“Suicide Solution” e “Road to Nowhere” mantiveram o alto nível do espetáculo, assim como “War Pigs” (com destaque a Tommy).

A excelente “Shot in the Dark” deu uma esfriada nos ânimos (podemos dizer a menos clássica do set), assim como a instrumental do Black Sabbath “Rat Salad” (que não precisaria estar no setlist, ainda mais com os excessos de solo de bateria e guitarra).

Mas com a volta do Madman ao palco o clássico “Iron Man” esquentou os gaúchos novamente, com todos cantarolando seu riff clássico, e sem tempo para respirar “I Don't Want to Change the World” e “Crazy Train”, levando todos ao êxtase.


Fechando a apresentação a já carimbada e sempre funcional “Paranoid”. De fato, esse foi o melhor show de Ozzy desde sua primeira vinda a Porto Alegre, contagiou a todos e mostrou que mesmo com 66 anos ainda tem muitas tours pela frente.

Setlist:
Bark at the Moon
Mr. Crowley
I Don't Know
Fairies Wear Boots
Suicide Solution
Road to Nowhere
War Pigs
Shot in the Dark
Rat Salad
 (Guitar and Drum solos)
Iron Man
I Don't Want to Change the World
Crazy Train
Encore:
Paranoid

Algo que não se pode reclamar do Monsters foi a qualidade sonora apresentada, pois sim o som estava perfeito, desde a banda de abertura até o último show, soando cristalino e potente.

Os telões posicionados também ficaram ótimos, o que facilitava para o pessoal que estava mais atrás.

Entre erros e acertos os shows compensaram a maioria dos problemas, pois tivemos na mesma noite três lendas do Heavy Metal mundial, que não pouparam esforços e deram o seu melhor para os fãs.


Cobertura por: Renato Sanson
Fotos: Diogo Nunes
Revisão: Carlos Garcia

terça-feira, 19 de maio de 2015

Panzer: Cada dia Mais Forte e Mais Alto! (Entrevista + Resenha DVD)


Com mais de 20 anos na estrada, os thrashers brasileiros do Panzer passaram por todas as dificuldades comuns a qualquer banda de Metal, inclusive com a banda encerrando as atividades por um período, mas nem na época mais difícil o Panzer deixou de seguir em frente. Quando não havia espaço para as bandas de Metal, eles criaram seu próprios festival. Não há gravadora? é arregaçar as mangas e lançar o trabalho de forma independente. Ou seja, assim como outros exemplos positivos, a banda nunca ficou reclamando da situação, acreditou no seu trabalho e correu atrás. ( Read Here the English Version of this Interview)

Comemorando esses mais de 20 anos de Metal, a banda lanço o DVD/CD "Louder Day After Day", e para falar desse lançamento, sobre todos esses anos dedicados ao Metal, um pouco de história, além da polêmica que envolveu a questão da utilização do nome "Panzer" por uma banda alemã, conversamos com dois dos fundadores, André Pars (guitarras) e Edson Graseffi (bateria), e o resultado você confere abaixo, além de, no fim desta matéria, temos a resenha do DVD!


RtM: Para começar gostaria que vocês falassem um pouco de como é a sensação de, de repente perceber que se passaram mais de 20 anos de estrada, e, se possível, descrever alguns dos momentos mais importantes na história do Panzer para vocês.
André: É engraçado às vezes, parar e pensar no tempo que passou. Quando vc está dentro da coisa toda, não sente o tempo passar...acredito que a banda teve em sua maioria ótimos momentos, mas momentos ruins também existiram e esses servem de aprendizado e combustível também, como quando nos separamos, mas, em contrapartida teve também a alegria do retorno em 2012, a receptividade da galera, que não imaginávamos que seria dessa forma , etc...É difícil citar um ou outro momento.  Todos os nossos lançamentos são especiais, nossa viagem para a Argentina, a volta da banda, os Panzer Fest, etc...Não podemos nos queixar...Rolou muita coisa bacana e ainda tem muita coisa vindo por aí...

RtM: O DVD “Louder Day After Day” é um lançamento que também marca esses mais de 20 anos de estrada. Como foi todo o trabalho de produção dele, se vocês conseguiram o resultado esperado.
André: Na verdade tudo foi extremamente simples. Nós queríamos um DVD que mostrasse a banda da forma como ela é nos palcos. Sem retoques, sem consertos, sem edições, nem nada disso. Quem assiste o DVD tem a sensação de estar realmente dentro do show.


RtM: Ainda rola aquele frio na barriga ao subir no palco, principalmente sabendo que o show está sendo gravado? Sabemos que é diferente tocar sabendo que está sendo feito uma gravação.

André: Frio na barriga sempre rola, mas estávamos muito tranquilos pois o nosso foco maior era mostrar o que realmente somos. Não havia a preocupação com a perfeição. Assistindo ao DVD a galera vai poder notar que estávamos realmente nos divertindo no palco e isso facilita demais as coisas. Quando vc é apenas vc, tudo flui de forma tranquila. Se tentássemos ser perfeitos, com certeza o show seria um fiasco. Mas no fim das contas, tudo deu muito certo. O DVD não contém edição de áudio, quisemos deixar tudo como rolou...A gente curte assim.
Hoje em dia, vemos muito material de bandas totalmente refeito em estúdio. E aí te pergunto: qual o sentido disso então? O Metal e o Rock são viscerais e não tem a obrigação e não devem ser perfeitos ou acadêmicos. Tem que ser divertido e no nosso caso, pesado e alto pra cacete...ahahahahah!!!!!


Recentemente fizemos o programa Brasil 2000 ao vivo. A pressão é ainda maior pois além de ser ao vivo, está sendo transmitido pra muita gente. E rolou da mesma forma que o DVD. Foi tudo muito tranquilo e foi legal pacas!!!! Quem tiver a curiosidade, basta acessar http://www.brasil2000.com.br/arquivo/246/brasil-2000-ao-vivo-101-panzer
e ir na aba Brasil 2000 ao vivo. Tem nossa foto e é só clicar e ouvir...
Somos assim, o Panzer tem sido assim. Sem stress e na hora que subimos no palco, a gente se transforma...
Subimos no palco, mandamos o nosso som alto e pesado e sem frescura!!!!

RtM: E para o pessoal que ainda não conhece o trabalho da banda, e está lendo sobre este DVD, o que você diria para eles, o que eles podem esperar e o que vão encontrar nesse DVD? Espaço para “vender o peixe” heheh!
André: Bom, como já falei anteriormente, o principal que a galera vai ver e ouvir, é uma banda de verdade...Sem qualquer retoque. É a nossa essência e o nosso som cru, curto e grosso. O DVD mostra um apanhado da nossa carreira. No DVD/CD, as pessoas podem ouvir material lançado nos discos "Inside", "The Strongest" e "Honor". Acompanha o DVD, um CD de áudio, que contém exatamente o mesmo show, com o mesmo áudio do dvd e que ainda inclui o EP "Brazilian Threat", que nunca havia saído em formato físico, apenas em formato digital. 


No disco de DVD, ainda rolam 03 videoclipes e uma galeria de fotos da banda ao vivo. O material está bem bacana e mostra bem a banda na sua atual fase. Quem tiver interesse em adquirir, pode facilmente encontrar na Galeria ou mesmo em sites de compra como Mercado Livre, Submarino, etc...e fizemos questão, juntamente com a Shinigami, que foi a gravadora que lançou o DVD, de manter os preços ultra acessíveis. É botar pra rodar, aumentar o volume e curtir! Como dizíamos no passado “Música para ouvidos não delicados”.


RtM: E como vocês veem o cenário atual do Metal brasileiro? Pessoalmente, ainda vejo, principalmente em votações de sites e revistas, que grande parte do público se prende às mesmas bandas ano após ano, sendo que todo momento aparecem coisas novas e além disso, tem muita gente com estrada sempre correndo por fora que merecia muito mais atenção. O que vocês pensam a respeito?
André: Sempre vai ser assim. É assim no mundo todo, mas no Brasil ainda temos o agravante da “pagação extrema de pau pra banda gringa” A banda pode ser ruim ou mesmo estar decadente, mas parece que muita gente sempre vai considerar o que se faz lá fora melhor do que o que tem aqui. O cara prefere pagar 400 paus pra ver um show de uma banda internacional em fim de carreira, que faz shows burocráticos a assistir a uma banda nacional com sangue nos olhos e que tem muito a mostrar e com qualidade. 

O Panzer nunca foi de ficar reclamando da situação. Nos anos 90, quando não havia mais espaço para bandas de metal mais porrada e sim apenas para o metal melódico, nós não nos deixamos abater e montamos alguns festivais. Criamos espaços pra mostrar o nosso som e o de quem a gente achava que merecia. Foi assim também após a volta da banda em 2012...Os espaços pra apresentar shows de Metal estão cada vez mais restritos e aí, montamos o Panzer Fest, buscamos outros espaços e estamos aí. Seguimos mais fortes do que nunca.
Se você tem uma banda e vê que a coisa tá ruim e simplesmente se contenta em reclamar, pode ter certeza que tua banda não vai vingar. A luta é dura, é diária, mas vale a pena. Somos como um Blindado que não para fácil...


RtM: Falando em novidades, que bandas novas daqui do Brasil e de fora tem lhe chamado atenção?
André: Não sei se posso considerar como bandas novas, mas são bandas que começaram a aparecer mais agora. Gostei muito do Climatic Tierra da Argentina, que é uma banda na linha do In Flames, muito boa...curto o som do Mastodon, Killswitch Engage, Blackberry Smoke, Nile e por aí vai... tem muita coisa bacana e isso não quer dizer que devemos deixar de curtir os veteranos, muito pelo contrário, o Black Sabbath pra mim é quase que uma religião, mas acredito que é sempre bom conhecer o que aparece de novidade. Abrir a cabeça é legal e não tem contra-indicação. 

E o mais importante, na minha opinião, é perder o preconceito. Às vezes deixamos de conhecer alguma coisa pois não achamos que a estética da banda seja fiel às coisas que acreditamos, e nessa, muita coisa boa passa batido...
Curto coisas de fora do Metal e até mesmo fora do Rock, mas que no momento certo, me fazem a cabeça e me mostram novos caminhos musicais...

RtM: E as recentes polêmicas envolvendo a questão da utilização do nome Panzer (que após, adicionaram “The German” à frente do nome) pela banda alemã formada por Schirmier (Destruction) e Hermann Frank (ex-Accept)? Inclusive vi algumas declarações deles em algumas revistas e sites especializados. Achei algumas frases até um pouco arrogantes por parte deles. Eles chegaram a forçar a barram ou tentar alguma negociação pra usar o nome? Conversaram com vocês?
André: A grande confusão foi que a banda Alemã, não se deu ao trabalho de procurar na internet se havia alguém usando esse nome. Simplesmente batizaram a banda e foda-se. Por serem alemães, se acharam no direito de usar a palavra Panzer e pronto!
Temos o direito legal do uso do nome no Brasil, o nosso nome é registrado. Portanto, eles não podem chegar no nosso país, usar o nome de uma banda que têm 24 anos de carreira, e simplesmente nos ignorar. Não é assim que a coisa funciona. Sabemos dos nossos direitos e informamos o empresário da banda, que foi muito hostil e mal-educado conosco. 

Nossos fãs compraram a briga e detonaram as páginas  dos caras nas redes sociais e depois disso, muito a contra-gosto, os caras acrescentaram o The German no nome...Se eles vierem se apresentar aqui no Brasil, é como "The German" que devem ser anunciados pois senão temos todo o direito de embargar o show. E pode ter certeza que o faremos. Somos brasileiros, estamos na batalha e exigimos respeito. Não somos paga-pau de gringo...Quando a galera das bandas e até mesmo o público, entender que o som que o Brasil produz é tão bom ou até melhor que muita coisa lá de fora, talvez a nossa cena cresca de verdade...O Metal brasileiro é muito mais respeitado fora do Brasil do que no nosso país...Pudemos sentir isso recentemente indo pra Argentina...Eles nos respeitam e amam o som feito no Brasil. Cabe a nós todos mudarmos isso...Público e bandas. Pensar grande e não se diminuir perante qualquer banda gringa, afinal, todos são seres humanos com virtudes e falhas, não existe super-herói...


Edson: Agradeço a vocês primeiramente, porque até agora, apenas vocês estão nos dando a oportunidade de falar sobre isso. Foi dada a oportunidade pros gringos nos "zuarem" em alguns veículos , mas ninguém havia nos dado o direito de resposta.
Cara, eu fui acusado de ser nacionalista, fui acusado de ser louco, fui tratado de forma mal educada , tudo isso  pelo assessor de imprensa deles. Da gravadora dessa banda, tive apenas um pedido de desculpas e veladamente um foda-se. E é assim que estes caras veem o Brasil.

Tudo o que o André disse, eu torno minhas palavras também e fica claro que o nome Panzer dentro do Brasil é nosso, temos registro e trabalhamos com ele há 24 anos. Não pagamos pau para gringos, muito pelo contrário, nossa missão é valorizar o nosso trabalho de mais de 2 décadas.
Toda essa confusão, simplesmente, está sendo levada adiante por interesses financeiros, de se vender uma prensagem de CD , o que me deixa mais abismado. Então, uma prensagem de CD e seu lucro pífio vale mais que um trabalho de 24 anos como o nosso? É patético...


RtM: É mais que obrigação qualquer veículo que se preze dar espaço ou direito de resposta. Acompanhamos a situação e achamos mesmo um desrespeito. E foi legal a atitude dos fãs do Panzer também, em defender, não só a banda que curtem, mas o bom senso e o que é correto.
André: Queríamos aproveitar pra agradecer os nossos fãs e amigos, que nos ajudaram nessa...Aos que insistem em ficar do lado de uma banda que chegou agora, só podemos dizer que o tempo vai mostrar, como já o fez, quem está aí pra ficar...Esses alemães podiam ter feito a coisa de uma outra forma e poderíamos até tocar juntos, mas o ego deles os impediram de conversar conosco...o triste é que há algumas pessoas, inclusive da imprensa, que defendem a atitude deles por simples interesses comerciais...isso é realmente triste!



RtM: Voltando ao que realmente interessa, e os próximos passos do Panzer, o que a banda tem de planos a curto e médio prazo?
André: O Panzer não para! Acabamos de lançar o DVD e estamos promovendo esse material, mas já pensamos em mais...Esse ano faremos bastante shows pelo país e devemos voltar para a Argentina e mais algum país da América do Sul provavelmente. Os EUA e o México são nosso foco para 2016. E também, a galera pode esperar, que em breve estaremos soltando um single, um clipe, um EP, etc...e por aí vai. A máquina não pode parar...


RtM: Pessoal, obrigado pela atenção, fica o espaço para sua mensagem aos leitores e aos fãs da banda!
André: Queremos agradecer os nossos fãs, que são muito especiais, queremos agradecer a vcs pelo espaço fantástico e acima de tudo, pedir ao grande público, que comece a sair de casa pra ver o que está rolando na cena Metal Nacional. Saia da frente do computador e venha assistir a shows ao vivo...A experiência é outra...As bandas precisam de vocês e a cena Metal no geral também. Vamos valorizar o nosso som...!!!!!!

Stronger Day After Day!!!!!!!!!!!

Entrevista: Carlos Garcia
Fotos: Divulgação
Assessoria: Metal Media

O Panzer é:
André Pars: Guitars
Edson Graseffi: Drums
Rafael Moreira: Vocals
Rafael DM: Bass

Facebook 
Official Web Site




Resenha DVD/CD - Panzer "Louder Day After Day" (Live Panzer Experience)

Cada Vez Mais Forte e Mais Alto!

Após uma para longa, mas sem jamais deixar o nome Panzer e o Metal morrer em suas veias, os thrashers brasileiros, oriundos de São Paulo, retornaram ainda mais fortes em 2012, lançando em seguida o álbum "Honor" (2013), trazendo toda a energia e experiência dos membros fundadores André e Edson, aliada a força e juventude dos novos integrantes, Rafinha e Rafael DM, em um trabalho muito bem recebido pela imprensa especializada e público.

Mas a máquina não para, além de seguir organizando festivais como o "Panzer Fest", o Panzer sempre está com alguma novidade, seja CD, EP, Clipe ou este lançamento duplo, o DVD/CD "Louder Day After Day", ou seja, os caras estão cada vez mais incansáveis, e parecem querer recuperar com sobras o tempo parado.


E uma banda incansável é o que podemos ver em palco no show gravado para este DVD, gravado em São Paulo no Espaço Som Estúdio, dia 26/04/2014.
Com uma produção simples, porém com ótima qualidade de som e imagem, o DVD leva o fã direto pra dentro do show, transmitindo a sensação de estar presenciando ao vivo. E essa foi a ideia da banda, um material simples, mas que levasse com fidelidade o que é o Panzer ao vivo, tanto para os fãs que já puderam conferir a energia da banda de perto, quanto aos que não puderam mas gostariam de sentir a força do tanque Thrash. O certo que é que todos terão em mãos um excelente registro.

Com um desfile de pedradas e performance carregada de entusiasmo e energia, mandam músicas que abrangem toda a história do Panzer, desfilando peso e groove, com seu Thrash empolgante, que ora flerta com o Metal Tradicional e Stoner. É pedrada atrás de pedrada, iniciando com "Speedy", seguida de  "Affliction", onde Rafinha já mostra que tem uma garganta de aço! "Red Days", que a banda anuncia como "uma baladinha romântica", a qual alterna passagens ultra-pesadas com outras mais Stoner ( com direito até uma citação do Sabbath), "Victim of Choices" e seu andamento cadenciado e ótimos riffs, perfeitos para o headbangin', e o encerramento com a veloz "Rising", pra fechar quebrando tudo, só para citar algumas, pois é impossível desprender o olho da tela e bangear sem parar.

E ainda junto com o DVD, vem o CD contendo o show em áudio e como bônus o EP "Brazilian Threat", antes somente disponível em formato digital.
Corra já atrás da sua cópia! Obrigatório.

Texto: Carlos Garcia

Lançamento: Shinigami Records (adquira aqui o DVD)
Assessoria: Metal Media



Tracklist:
1. Speedy
2. Affliction
3. Red Days
4. The Morning After
5. The Last Man On Earth
6. Heretic
7. Intruders
8. Savior
9. I Wanna Make You Pay
10. Burden Of Proof
11. Victim Of Choices
12. Rejected
13. N.S.A
14. Rising

Bônus:
Videos:
. Alma Escancarada
. Rising
. Last Man on Earth
Álbum de fotos

CD:
Contém o mesmo track-list do DVD mais Bônus: (EP Brazilian Threat):
Burden Of Proof
 Red Days
Hastening To Death



 



Panzer: Brazilian Thrash Stronger Day After Day (Interview + DVD Review)

 


With more than 20 years on the road, the brazilian thrashers gone through all the difficulties common to any metal band, including the band closing activities for a period, but not in the most difficult time the Panzer failed to move on. When there was no room for the metal bands, they created their own festival. There is no label? Let's do for ourselves. That is, as well as other positive examples, the band Panzer was never complaining about the situation, believed in their work and ran. 
(Leia aqui a versão em português desta matéria)

Celebrating those over 20 years of Metal, the band released the DVD/CD "Louder Day After Day" and to speak about this release, over all these years dedicated to Metal, a bit of history, including the controversy involving the issue of  the use of the name "Panzer" by a German band, we talked with two of the founders, André Pars (guitars) and Edson Graseffi (drums), and the result you see below, and at the end of this article, we have the DVD review!



RtM: To start the interview, i would like you to talk a little of how do you feel to suddenly realize that you have more than 20 years on the road, and if possible, describe some of the most important moments in the history of Panzer for you.
André: It's funny sometimes stop and think of the time that has passed. When u are in the whole thing, do not feel the time passing ... I think the band had mostly great time, but there were also bad times and these serve as learning and also fuel, as when we parted, but in return also had the return of joy in 2012, the receptivity of the crowd, which did not imagine it would be that way, etc ... It diíicil name one time or another. All our releases are special, our trip to Argentina, around the band, the Panzer Fest, etc ... We can not complain ... we rolled a lot of cool stuff and still have a lot coming up.

 
RtM: The DVD "Louder Day After Day" is a release that also marks those over 20 years on the road. About DVD production, did you got the expected results?
André: Actually everything was extremely simple. We wanted a DVD that showed the band the way it is on stage. Unretouched, without repairs, with no issues or anything. Who watches the DVD has the feeling of being really into the show.

RtM: Still rolls that "goose bumps" when you go on stage, especially knowing that the show is being recorded? We know it's different to play knowing that a recording is being made.
André: Chills down the spine always has, but we were very calm, because our main focus was to show what we really are. There was the concern for perfection. Watching the DVD the guys will be able to notice that we were really having fun on stage and this too makes things easier. When you is just you, everything flows smoothly. If we tried to be perfect, to be sure the show would be a "fiasco". But in the end, everything went very well. The DVD does not contain audio editing, we wanted to leave everything as it rolled ... We like it this way!

Today, we see a lot of stuff completely redone in studio. And then I ask you: what's the point then? Metal and Rock are visceral and has no obligation and should not be perfect or academics. It has to be fun and in our case, heavy and loud as hell ... ahahahahah !!!!!

Recently we made the Brazil  2000 program live. The pressure is even greater as well as being live, is being broadcast to many people. And rolled in the same way as the DVD. It was all very quiet and was very cool !!!! Whoever has the curiosity, just visit http://www.brasil2000.com.br/arquivo/246/brasil-2000-ao-vivo-101-panzer

and go in Brazil in 2000 flap live. Have our picture and just click and listen ...

It is thus the Panzer has been. Stress and time we go up on stage, it turns ...Go on stage, we send our loud and heavy sound and no frills !!!!



RtM: And for people who do not know the work of the band, and is reading about this DVD, what would you say to them, what they can expect and what they will find in this DVD? Space to "sell the fish" heheh!
André: Well, as I said earlier, the main that everybody will see and hear, is a real band ... Without any retouching. It is our essence and our raw, short, thick sound. The DVD shows an overview of our career. In the DVD / CD, people can hear stuff released on discs "Inside", "The Strongest" and "Honor". Accompanies the DVD, an audio CD, which contains exactly the same show with the same audio of the DVD, and also includes the EP "Brazilian Threat," which had never been released in physical format,  digital format only.

 

In the DVD disc, still roll 03 music videos and a gallery of live band photos. The material is very good and  shows the band in its best and current phase. Those interested in purchasing, you can easily find in the gallery or even buying sites like Submarino or Shinigami rec., etc ... and we made sure along with the Shinigami, which was the label that released the DVD, to keep the  prices accessible.

It is put to rotate, turn up the volume and enjoy! As we said in the past "Music for not delicate ears."


RtM: And how do you see the current situation of the Brazilian Metal? Personally, I still see, especially at voting sites and magazines that much of the public is related to the same bands year after year, and every moment appear new things and besides, a lot of people with road always running out deserved that much more attention. What do you think about?
André: Always will be. Thus worldwide, but in Brazil we still have the aggravating factor of "extreme propagation stick to foreigner bands" The band can be bad or even be declining, but it seems that many people will always consider what you do out there better than what's in here. The guy rather pay 400 bucks to see a show of an international band at the end of career that makes bureaucratic shows to attend a national band with bloodshot eyes and that has a lot to show and with quality.

 

The Panzer was never to stay complaining about the situation. In the 90s, when there was no room for metal bands more punches but only for the melodic metal, we do not let us shoot and assemble some festivals. We create spaces to show our sound and who we thought he deserved. It was so after the return of the band in 2012 ... The spaces to present Metal shows are increasingly restricted and there, we set up the Panzer Fest, seek other spaces and we are there. We move on stronger than ever.


If you have a band and see the thing're bad and simply content to complain, can be sure that your band will not succeed. The fight is hard, it is daily, but worth it. We are like a tank not easy to stop...


  
RtM: Speaking of news, that new bands here in Brazil and outside has called your attention?
André: I do not know if I can consider how new bands, but are bands that began to appear more now. I really enjoyed the Climatic Tierra Argentina, which is a band along the lines of In Flames, very good ... short the sound of Mastodoon, Killswitch Engage, Blackberry Smoke, Nile and so on ... have a lot of cool stuff and it does not mean that we should stop enjoying veterans, on the contrary, Black Sabbath for me is almost a religion, but I believe it is always good to know what comes of novelty. Open the head is a nice thing, and has no contraindications.

  
And most importantly, in my opinion, it is to lose prejudice. Sometimes we fail to understand anything because we do not think the aesthetics of the band to be faithful to the things we believe in, and this, a lot of good passes beaten ...

Short things out of metal and even out of the Rock, but at the right time, make me your head and show me new musical paths ...

 
RtM: And the recent controversy surrounding the issue of the use of Panzer name by a German band formed by Accept's ex-members and a Destruction's member? Even I saw some of them statements in some magazines and specialized websites. I readed some phrases even a bit arrogant in some interviews. They, or their label tryed some negotiation or permission to use the name? They talked with you?
André: A lot of confusion was that the German band do not bother to look on the internet if anyone was using that name. Just they named the band and fuck. For being German, they were found in the right to use the word Panzer and go!

We have the legal right to use the name in Brazil, our name is registered. Therefore, they can not get in our country, using the name of a band that have 24-year career, and just ignore us. That's not how it works. We know our rights and inform the band's manager, who was very unfriendly and rude to us.

 

Our fans bought the fray and set off the pages of the guys on social networks after that, not much agreement, the guys have added "The German" on their name ... If they come to perform here in Brazil, it's like "The German" to be announced because otherwise we have every right to embargo the show. And you can be sure we will. We are Brazilians, we are in battle and we demand respect. We are not flatterer of any foreigner band ... When the crowd, the bands and even the public,  understand that the sound that Brazil produces is as good or even better than much from outside, perhaps our scene really grows ..The Brazilian Metal is much more respected outside of Brazil than in our country ... We could feel it going to Argentina recently ... They respect us and love the sound made in Brazil. It is up to us all that we change ... Public and bands. Think big and do not diminish to any band of any place, after all, all are human beings with virtues and flaws, there is no superhero ...

  
Edson: I thank you first, because until now, only you are giving us the opportunity to talk about it. The opportunity was given to that certain band make jokes about the fact on some vehicles, but no one had given us the right of reply.



Man, I was accused of being a nationalist, was accused of being crazy, I was treated to rude way, all this for their press officer. The record label that band, had only an apology and covertly a fuck-up. And that's how these guys see Brazil.

 All that Andre said, I make my words too and it is clear that the Panzer name within Brazil is ours, we record and worked with him for 24 years. We do not pay jack of foreigners, on the contrary, our mission is to enhance our work over two decades.



All this confusion simply being carried on by financial interests, to sell a CD pressing, which makes me more shocked. So a CD pressing and their meager income worth more than a 24-year work like ours? It is pathetic ...


RtM: It's that obligation any vehicle worth its salt make room or right of reply. We follow the situation and we even disrespectful. And it was cool attitude of Panzer fans too, to defend not only the band who enjoy, but common sense and what is right.
André: We wanted to take advantage thank our fans and friends who helped us in this ... To those who insist on staying on the side of a band that has now arrived, we can only say that time will show, as I did, who's there to stay ... These Germans could have done the thing in a different way and we could even play together, but their ego prevented them from talking to us ... the sad thing is that there are some people, including the press, defending attitude them by simple commercial interests ... this is really sad!


RtM: Going back to what really matters, and the next steps of Panzer, which the plans the band has in the short and medium term?
Andrew: The Panzer don't stop! We just released the DVD and we are promoting this material, but I think more ... This year we will rather shows across the country and we should go back to Argentina and some more country in South America probably. The US and Mexico are our focus for 2016. Also, the guys can expect that we will soon be dropping a single, a clip, an EP, etc ... and so on. The machine can not stop ...
  

RtM: Guys, thanks for attention, is the space for your message to readers and fans of the band!
André: We want to say thanks to our fans, who are very special, we want to thank you guys for the fantastic space and above all, ask the general public, begins to leave the house to see what's going on in the scene National Metal. Computer front Come out and watch live shows ... Experience is another ... The bands need you and the metal scene in general as well. We value our sound ... !!!!!!


Stronger Day After Day !!!!!!!!!!!

Interview by: Carlos Garcia


Panzer are:
André Pars: Guitars
Edson Graseffi: Drums
Rafael Moreira: Vocals
Rafael DM: Bass

Media: Metal Media Press

Facebook 
Official Web Site



DVD's Review:

Panzer: "Louder Day After Day - The Panzer Live Experience"


After one time out of business , but without ever leaving the Panzer name and Metal die in their veins, the brazilian thrashers, from São Paulo, returned even stronger in 2012, then releasing the album "Honor" (2013), the entirety energy and experience of the founding members André and Edson, combined with strength and youth of the new members, Rafinha and Rafael DM, on a job very well received by the press and public.




But the machine does not stop, as well as continue organizing festivals like the "Panzer Fest", the Panzer is always with something new, be it CD, EP, clip, or this double release, the DVD / CD "Louder Day After Day", ie the guys are increasingly restless, and seem to recover their downtime.

And a relentless band is what we see on stage at the show recorded for this DVD, recorded in São Paulo, at Space Sound Studio, day 26/04/2014.



With a simple production, but with great quality of image and sound, the DVD takes the fan right inside the show, conveying the feeling that you are there, in front of the stage! And that was the idea of ​​the band, a simple material, but to take faithfully how is to watch the Panzer alive on stage. For fans who already give the energy close to the band, as those who could not but would like to feel the force of the brazilian Thrash tank. The truth is that everyone will have at hand an excellent live DVD.

With a strong and powerful tracklist, a performance full of enthusiasm and energy, Panzer play songs spanning the entire history of the band, with heavy sound and groove, they execute their exciting Thrash, who flirts with Traditional Metal and Stoner Metal. Furiosly they starting with "Speedy", followed by "Affliction", where Rafinha already shows that he has a throat made of steel! "Red Days", the band announced as "a romantic ballad," which alternates ultra-heavy passages with other more Stoner (and pay a tribute to the kings Black Sabbath), "Victim of Choices" and its ongoing rhythmic and great riffs, perfect for headbangin ', and the closing with fast "Rising", close to breaking everything, just to name a few tracks, it is impossible to stop to bang your head!

With the DVD package, comes the CD containing the audio of the entire show and the bonus EP "Brazilian Threat", previously only available in digital format.

Review by Carlos Garcia
 

Buy the DVD on Shinigami Records


DVD  Tracklist:
1. Speedy
2. Affliction
3. Red Days
4. The Morning After
5. The Last Man On Earth
6. Heretic
7. Intruders
8. Savior
9. I Wanna Make You Pay
10. Burden Of Proof
11. Victim Of Choices
12. Rejected
13. N.S.A
14. Rising

Bônus:
Videos:
. Alma Escancarada
. Rising
. Last Man on Earth
Pictures

CD:
(DVD's same tracklist plus EP Brazilian Threat):
Burden Of Proof
 Red Days
Hastening To Death


Curta Road to Metal no Facebook!