terça-feira, 11 de junho de 2013

Entrevista: WildeStarr - Sinônimo de Metal Poderoso, Melódico e Moderno


A história do WildeStarr, podemos dizer que começou em 2003, quando Dave Starr, experiente baixista original do Vicious Rumors, gravava o baixo para o CD "In An Outrage", do Chastain, sendo que a engenheira de som era a vocalista e tecladista London Wilde, e durante esses trabalhos, os dois conversaram sobre a possibilidade de montarem uma banda, um desejo de Dave, que não sentia-se totalmente realizado como músico em sua passagem pelo VR.

Em 2005, livre do álcool, Dave começou a se dedicar seriamente à guitarra, tendo uma evolução rápida, e então começou a criar as primeiras músicas do WildeStarr, em seguida, com a ajuda de London, estava com 10 músicas prontas para um primeiro álbum.

Em 2007, a dupla lançou o single "Generation Next", e em 2009, o debut "Arrival". Recebendo uma boa receptividade e resenhas positivas, principalmente em terras japonesas. Em 2012, contando já com o baterista, vocalista e multi-instrumentista, Josh Foster,  lançam o segundo álbum, "A Tell Tale Heart", baseado na poesia de Edgar Allan Poe, recebendo ainda mais elogios e tendo uma distribuição maior e melhor, o que vem possibilitando a banda a abrir mais fronteiras com seu Metal repleto de riffs poderosos, grandes melodias e vocais soberbos.

Conversamos com Dave Starr, que nos falou um pouco mais sobre a banda, sobre como se tornou também um ótimo guitarrista, os tempos de Vicious Rumors e muito mais!
(Interview's English Version HERE)



RTM: Dave, para os leitores e fãs de metal, especialmente aqui no Brasil, os quais ainda não estão familiarizados com o WildeStarr ainda, você poderia fazer uma breve apresentação da banda, e falar sobre o que eles podem esperar em termos de sonoridade?

Dave Starr: Obrigado Carlos, é uma honra estar aqui com vocês! WildeStarr é  poder, melodia e agressividade ... em todas as combinações certas!! O Judas Priest clássico vem à mente, com um toque de modernidade.

RtM: Você disse que ao longo dos anos como baixista em Vicious Rumors, sentia que faltava alguma coisa, principalmente porque suas idéias não são muito alavancadas. Se você tivesse mais espaço para suas idéias, e também poderia contribuir como guitarrista em VR poderia se sentir realizado musicalmente, ou apenas com o WildeStarr você pode se sentir totalmente livre e realizado?

DS: Vicious Rumors foi uma grande banda, e eu estou muito orgulhoso de ter sido parte da minha carreira. Eu não tinha muitas de minhas idéias musicais aproveitadas, e isso era frustrante às vezes. Algumas das minhas ideias eram melhores do que as músicas que entravam nos álbuns, mas, era a maneira que as coisas eram. Marcos, Carl, e Geoff tornaram-se os compositores dominantes, e isso me colocou de lado. Na maior parte, eu acho que eles fizeram um ótimo trabalho. 


Obviamente, no WildeStarr ... Eu não tenho os problemas que tive com VR. Em nosso CD, eu toco todas as guitarras,o baixo e escrevo todas as músicas. É muito mais gratificante agora. WildeStarr é a melhor música, a melhor banda que eu já fiz parte!

RtM: E como foi a transição de baixo para a guitarra? Praticou muito, procurou fazer aulas?

DS: Eu nunca fui um guitarrista sério até 8 anos atrás, aos meus 44 anos, que é quando eu parei de beber e a minha vida mudou, e comecei a minha nova carreira como guitarrista! Não foi fácil no começo, mas eu trabalhei muito duro, e fiquei muito bom, muito rápido. Eu nunca tive quaisquer lições. Quando gravamos o CD "Arival", eu só tinha tocado guitarra por alguns anos. Eu choquei muita gente, pois soa como se eu tocasse há 20 anos.


RtM: E quais são as suas principais inspirações como guitarrista e compositor? London cita a "Santíssima Trindade", que são Halford, Geoff Tate e Dio (creio que a versão para "Neon Knights" de "A Tale Heart Tell ' foi idéia dela!). E qual é a sua santíssima trindade da guitarra?

DS: Na verdade, "Neon Knights" foi idéia minha, mas isso realmente não importa. Eu vim com a idéia, e London adorou. Nós nunca pensamos muito sobre isso, pareceu tão certo para nós, e eu acho que a música ficou ótima! 

Santíssima Trindade na guitarra?... essa é uma boa pergunta! Glen Tipton, KK Downing, e Gary Moore. Claro, existem muitos outros que me influenciaram ao longo dos anos como Ace Frehley, Michael Schenker, todos os caras do Thin Lizzy, etc...

RtM: E o processo de composição no WildeStarr? Conte-nos um pouco como  funciona.

DS: Em primeiro lugar, crio a música na guitarra. Normalmente, eu sento no sofá da sala e assisto TV (futebol ou filmes), enquanto eu toco guitarra. É assim que eu escrevo nossas músicas! Quando eu tiver uma boa ideia nas mãos, eu mostro para a London. Ela grava uma faixa básica de guitarra para que ela possa trabalhar nas letras e melodias. Eu não participo muito das letras, London faz quase tudo. 

Eu escrevi as letras e melodia para a parte do refrão em "Immortal" do novo CD,  assim funciona para mim. Eu escrevi algumas coisas para o "Arrival", mas eu diria que London faz cerca de 95% das letras e melodias. Uma vez que temos um formato básico da canção, mostramos ao Josh (Foster, que também é vocalista, baixista, guitarrista e engenheiro de som, formando um trio poderoso e talentoso com Dave e London) e ele vai trabalhar nas partes de bateria. A partir daí, começamos o processo de gravação. Normalmente, eu começo com as guitarras base e, em seguida, baixo, guitarras, etc


RtM: Basicamente London escreve as letras e melodias e você cria a música.

DS: Como eu disse anteriormente, London faz quase toda a parte lírica no WildeStarr. Ela faz um ótimo trabalho! Eu venho com algumas coisas aqui e ali, mas na maior parte ... eu fico com a guitarra e baixo e deixo as letras para ela.

RTM: Conte-nos sobre a criação e produção do debut "Arrival", onde você acabou gravando todas as guitarras e baixos, e também podemos dizer que foi o início de uma nova era para você, pois além de estar trabalhando em algo seu, também já estava livre de seus problemas com certas substâncias que prejudicavam sua saúde.

DS: Eu parei de beber em 2005, que é quando eu me dediquei a sério na guitarra. Eu fiquei muito bom ... muito rápido! Não era a minha intenção de tocar todas as guitarras e baixo, mas, essa é a maneira que aconteceu. Eu estou feliz que fiz dessa maneira, e quanto ao novo CD também. Eu tenho padrões muito altos, e não é fácil para mim encontrar outros músicos que tenham a mesma visão e foco que eu tenho. 

Eu testei outras pessoas, mas por uma razão ou outra, nunca funcionou. É um monte de trabalho para um cara fazer, tocar as partes de três músicos diferentes ... mas no longo prazo, tem funcionado melhor para mim e para a banda. Eu não preciso confiar em alguém que poderá me decepcionar. Eu tenho enorme de orgulho do que fazemos, e é muito bom fazer toda essa música incrível com apenas London, Josh e eu.


RtM: "Arrival" foi bem recebido, mas agora com "A Tale Heart Tell," o WildeStarr vem chamando mais atenção e conquistando mais fãs. O resultado até agora cumpriu as suas expectativas? O que você esperado futuro e quais projetos a curto prazo para a banda?

DS: Com o "Arrival", nós não tínhamos um contrato com uma gravadora, e nós fizemos a nossa própria distribuição, e tinha uma rede de pequenas empresas que distribuiam o CD em todo o mundo. Era um inferno de um monte de trabalho, mas também aprendi muito com essa experiência. Agora, com o novo CD .... Temos ofertas de gravação, distribuição, e as coisas são muito melhores. Claro que nada é perfeito, mas no geral as gravadoras têm feito um bom trabalho para nós com "A Tell Tale Heart". Agora, nós estamos escrevendo músicas para o próximo CD (o 3º).
  
RtM: E sobre a bela capa de "A  Tell Tale Heart", conte-nos sobre o conceito dela e quem o criou.

DS: London veio com a ideia. Ela combinou vários elementos de dor e beleza. Ela fez todo o nosso trabalho de arte para o CD, e também dirige nossos vídeos, faz as fotos da banda! Ela é uma senhora ocupada! E ainda encontra tempo para ser uma cantora incrível!


RtM: Em "A Tale Heart Tell", senti que as influências de Judas Priest e Queensrÿche estão mais evidentes, especialmente pela voz de London. No entanto, sobre as músicas do WildeStarr, eu diria que a força são riffs marcantes, músicas poderosas, assim como o clássico Judas Priest, e também os climas das músicas, que me lembram de álbuns clássicos do Queensryche. As melodias de teclado também, são bem colocadas, contribuindo com a melodia. Você acredita que, neste álbum você pode conseguir o que estava procurando em termos de identidade para WildeStarr?

DS: Eu acho que o novo CD foi um passo em frente para nós, apesar de que "Arrival" foi, e é, um grande CD. Em "A Tell Tale Heart", eu acho que amadurecemos como banda e como compositores. Judas Priest é definitivamente a maior influência sobre nós, e é a única banda que London e eu concordamos. Nós dois amamos PRIEST! Dito isto, eu não acho que nós realmente soamos como eles, mas você pode ouvir a influência com certeza.

RtM: Para shows ao vivo, quem mais vai estar no palco com você e London? E como está a agenda do WildeStarr, vocês estão recebendo muitos convites pra shows?


DS: Neste momento, não estamos em turnê ou tocando ao vivo. Gostaria de sair em tour, em algum momento, mas apenas se a situação for ideal para London e eu, e gostaria de voltar para o Japão e Europa, e lugares que eu nunca fui , como a América do Sul.


RTM: E Dave, e ao longo dos anos, juntamente com o Laaz Rockit e Vicious Rumors, Chastain e outros o que você pode nos dizer sobre essa experiência adquirida com essas bandas?

DS: Laaz Rockit, não era uma grande banda. Mas, que é onde eu tive meu começo de verdade, tocando grandes shows e fazendo um pouco de turismo, gravando, etc ...Fizemos um EP de 3 músicas, mas saiu realmente terrível. Eu estive na banda por 18 meses. 

Vicious Rumors foi um grande passo, eu estive na banda por quase 12 anos. Fizemos muitos ótimos CDs e tours, vídeos, etc... Foi uma jornada incrível a maior parte do tempo. Nós viajamos por todo o mundo várias vezes. A banda nunca chegou a ser tão grande como deveria, mas é assim que as coisas são.

Quanto ao Chastain, eu realmente estava na banda como músico contratado, tocando baixo no último CD que saiu em 2004. Foi um prazer trabalhar com David Chastain, ele é realmente um grande cara.


RtM: E o cenário metal brasileiro? Eu sei que você tem , inclusive planos de que Mario Pastore cante um dueto com London.

DS: Eu conheci Mario através do nosso selo japonês, Hydrant Music. Eu ouvi algumas de suas músicas, e realmente gostei muito. Entrei em contato com ele e nos tornamos grandes amigos ao longo do último ano. O plano é que Mario cante um dueto com London no próximo CD do WildeStarr. Ele também me pediu para que eu toque guitarra no próximo CD do PASTORE. Esta foi uma grande honra para mim! Agora, eu tenho trabalhado em algumas  ideias para o Mario ouvir. Eu acho que haverá coisas boas no futuro, tanto para WildeStarr como para o PASTORE!

RtM: Dave, obrigado pela sua atenção, deixo estas linhas finais para você enviar uma mensagem para os fãs!

DS: Obrigado a todos os nossos amigos no Brasil, nós amamos vocês! Espero que possamos em breve ir tocar para vocês!

Por: Carlos Garcia

Acesse os canais oficiais da banda:








2 comentários:

Anônimo disse...

Depois de ler o aval do Pastore sobre essa banda decidi apreciar. Consegui o material do album Arrival e ouvi! Me pareceu muito trilha de filme de vampiro. Quem gostar do estilo pode baixar.

Marcos Diogenes

Rosbelio Bones disse...

Onde baixar???