quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Deep Purple: Emoção a Flor da Pele! (15/11/14 - Auditório Araújo Vianna)


Vinda de Salvador do Sul (pouco mais de 100 km da capital, Porto Alegre), a banda Blue Label foi a responsável pelos primeiros acordes do palco. Fizeram uma apresentação para um público bem restrito, devido o horário. Não é uma tarefa fácil de realizar com êxito, abrir o show para uma lenda, neste caso Deep Purple. A maioria dos fãs não se preocupa em prestigiar as bandas de abertura, mas como todo mecanismo perfeito necessita sincronia, a abertura do show é uma parte necessária para que se faça completa a noite. O Road to Metal esteve lá desde os minutos inicias para tentar contar como tudo aconteceu na noite de 15 de novembro de 2014 (sábado).  Noite em que o Oi Araújo Vianna recebeu a apresentação do Deep Purple em Porto Alegre.

A velha casa e os filhos.

Primeiramente gostaria de pontuar sobre o local que acolheu Deep Purple, Blue Label e fãs. O Auditório Oi Araújo Vianna, já famoso por abrigar grandes nomes do Rock no passado, pós-reforma apresenta uma estrutura digna de mérito. O anfiteatro oferece acesso total para o público, mesmo para os fãs que apresentam necessidades especiais. As arquibancadas com espaços muito bem distribuídos e isso permite assistir ao show com tranquilidade. Os banheiros são muito bem projetados e acessíveis. O palco está elevado a uma altura bem razoável e mesmo quem está sentado na primeira fila tem uma visão total do mesmo. A nova cobertura facilita a acústica do local e distribui muito bem a sonoridade e mesmo as nuances mais sensíveis podem ser percebidas. Nos do Road to Metal, agradecemos pela recepção e pelo tratamento que nos foi direcionado, e esse reconhecimento nos abastece de combustível para seguir em frente nessa estrada. Nada é como era antes, e mediante a nova situação e cultura contemporânea, os velhos filhos a casa tornam.


E no início, era a música.

A BLUE LABEL começa a apresentação timidamente e sem muita pretensão. Motivos? Podemos arriscar que, fazia parte do desempenho entrar despretensiosamente e provocar o público de forma crescente durante a apresentação. Podia ser a pressão de estar abrindo o show do Purple. O fato é que foi uma agradável surpresa ver a Blue Label arrancar alguns headbangs do público presente. Um set muito bem selecionado trouxe grandes clássicos do velho Rock e músicas autorais. Desde 2007 (última vez que vi a banda ao vivo) até a noite de ontem, o grupo mostrou no palco que não esteve parada durante esse tempo. Christian continua solando perfeitamente. Mateus Kremer apesar de não usar um bumbo duplo está mais rápido e mais técnico e Dani aperfeiçoou a técnica vocal sensivelmente e abusou dos agudos no velho Led Zeppelin de maneira perfeita. 

Parabéns para todos da banda, fizeram uma apresentação perfeita e mereceram cada segundo no palco que antecedeu uma lenda. Apesar do público restrito, a BLUE LABEL apresentou as primeiras músicas para o astro maior da nossa galáxia. Devido o horário de verão, o sol ainda estava no céu quando começaram, mas a troca foi justa. Assim que o astro-rei foi enviado para outro hemisfério, o público já “infestava” o auditório do “Araújo” para sentir o clima das musicas derradeiras nesta noite. E como tudo que é bom dura pouco, estava na hora de deixar o palco para assumir lugar entre os mortais. Deixando o mesmo para o Deep Purple nos conduzir em uma viagem entre décadas de uma era inteira do Rock N’ Roll. Sendo assim, a banda finaliza sua apresentação ao som de palmas!


Num Céu Roxo Profundo.

Os lendários preparam o público, para uma entrada triunfal ao som de “Mars, the Bringer of War” – musica instrumental com carga de tensão e adrenalina intensa, compõe parte da suíte “PLANETAS” de Gustav Holst - Como se a adrenalina que os fãs já estavam conduzindo pelo corpo, já não fosse o suficiente. 


Nobody gonna take my car;
 I'm gonna race it to the ground…”


E quem teria essa coragem Ian? E dessa maneira o Deep Purple brinda o início do show.

Do aclamado Machine Head a mão no microfone chega ao som de “Highway Star” elevando a euforia para o top do medidor desde o início.  Em seguida o Purple atira todos ao fogo com a “Into the Fire” do Deep Purple In Rock, Ian Gillan, desde 1968 no vocal entre intervalos de saída, ainda preserva muito da vitalidade do velho rockeiro old school e sabe muito bem como conduzir uma plateia.

Com quarenta e seis anos de idade, somente de estrada, o Deep Purple que vimos na noite do dia 15/11 é um dos responsáveis pelo muito do que conhecemos que é feito no Rock pesado até hoje. Ao lado do Black Sabbath e do Led Zeppelin, formam a “Santa Trindade do Metal e do Hard Rock”.


Pois dessa maneira, quem esteve no Araújo Vianna, pode se considerar um abençoado! A noite segue com mais uma do mesmo disco, desta vez a “Hard Lovin' Man”, mas uma nova explosão de energia eclode aos primeiros riffs da “Strange Kind of Woman” do disco Fireball. Do trabalho mais recente, Now What? – álbum que impulsiona a turnê – vem a “Vincent Price”, densa e pesada.

A noite já havia tomando conta e o céu transitório roxo profundo tornara-se negro em companhia das estrelas. Dentro do Araújo Vianna, cinco estrelas, Ian Gillan, Roger Glover, Ian Paice, Steve Morse e Don Airey, iluminavam uma plateia que apresentava idades com menos de uma década e outra parte composta de fãs com muitas décadas. Todos conquistados com a simpatia do velho Gillan, que sempre que podia interagia e trocava algumas palavras com o público.

Essa mesma simpatia, também era compartilhada com os companheiros de banda. Sempre que acontecia um solo, Gillan fazia questão de dar alguns passos mais para o fundo do palco e deixar os holofotes iluminarem os solistas momentâneos. Penso que ele estava na realidade curtindo ali no fundo, muitas vezes flagramos ele cantarolando baixinho e arriscando uns passinhos acanhados chacoalhando a “Pandeirola” na mão, entre um sorriso e outro.

  
Na sequencia “Contact Lost”, “Uncommon Man” e “The Well-Dressed Guitar”, com essa última mencionada, Steve Morse deixou bem claro, no solo, que não precisa abusar da velocidade para mostrar virtuosidade e despejou conhecimento, precisão e musicalidade.  Em seguida é hora de falar de Lúcifer e seus amigos, sim “The Mule” e seu famoso riff gordo e embalado da guitarra.

Momento maior para os percussionistas de plantão, quando o Ian Paice, relembra a década de 70 no solo de bateria. Paice está diferente em alguns aspectos, o cabelo recebeu a marca do tempo, existe uma barriguinha que antes não existia e a velocidade talvez (veja que escrevi “talvez”) não seja mesma. O que permaneceu? A experiência, os óculos escuros e a força com que Paice espanca as peles. Ao final do solo o baterista é saudado com uma onda calorosa de aplausos e assovios (isto também não mudou desde os anos 70).

Um show milimetricamente perfeito, que em seguida veio “Lazy” (mais uma de Machine Head) e “Hell To Pay”  do novo álbum, que antecedeu um dos momentos mais marcantes do show e da vida de quem vós escreve. As apresentações do Purple sempre foram marcadas por diversos solos e improvisos, e este show não fugiria a regra, então era hora do mestre Don Airey dar seu show particular com seu Hammond.


O que seria apenas mais um excelente solo acabou se transformando em algo extremamente emocionante, inesperado e marcante para o resto da vida, pois ao final de seu solo Don puxa de forma magistral o Hino rio-grandense, o que fizeram muitos chorarem, ficarem de boca aberta e claro cantar com toda emoção o Hino de nossa terra querida. Algo no mínimo inesquecível, e para deixar ainda a emoção pulsante, Mr. Airey puxa a intro de um dos maiores clássicos do Purple, sim ela, “Perfect Strangers” levando de vez o Araújo Vianna ao ápice da adrenalina.

E antes do final da primeira parte do show mais duas do clássico Machine Head – “Space Truckin’” e certamente seu maior clássico comercial “Smoke on the Water” fazendo todos se levantarem e tomarem a pequena grade que separava o público do palco.

Após o tradicional “final fake” o Deep Purple retorna ao palco e os covers de “Green Onions” e “Hush” entram em cena, com destaque total ao duelo entre Steve Morse e Don Airey, que ao meio de tantos improvisos mostram uma virtuosidade e entrosamento fora do comum.


Todos sabiam que o final do show estava se aproximando, mas faltava o lendário Roger Glover fazer seu solo e despejar todo seu conhecimento nas quatro cordas de seu baixo, vendo-o tocar parece tudo tão fácil e simples, uma naturalidade abismal, sem contar seu carisma com os presentes, que quando menos esperavam “Black Night” estava moldada e dando a tona final ao espetáculo com todos cantando junto, mostrando muita emoção e satisfação.

Não há o que dizer, pois foi uma noite mágica, beirando a perfeição com fãs de diversas idades curtindo, cantando e se emocionando. Chegamos a concepção que sim, o Deep Purple tem muita lenha para queimar ainda, pois deram uma aula do verdadeiro Rock N’ Roll.


Cobertura por: Uillian Vargas/Renato Sanson
Fotos: Uillian Vargas
Edição/revisão: Renato Sanson





Um comentário:

Marcinha disse...

Eu realmente me senti assistindo ao show, com todo o entusiasmo do Uillian!